Quinta, 29 de Julho de 2021 10:16
67993368356
Educação Educação

Capital paulista tem projeto para ampliação do ensino presencial

Educação infantil e ensino fundamental terão total de alunos e rodízio

20/07/2021 16h35
Por: Redação Fonte: EBC
© Rovena Rosa/Agência Brasil
© Rovena Rosa/Agência Brasil

A prefeitura de São Paulo anunciou hoje (20) o projeto de recuperação e ampliação do ensino presencial na rede pública para o segundo semestre, com as aulas voltando ao normal a partir de 2 de agosto em sistema de rodízio, de acordo com a capacidade físicas das unidades e distanciamento de 1 metro entre um aluno e outro. Os estudantes com comorbidades permanecem em casa e, enquanto durar a pandemia, ainda será possível que os pais optem por não encaminhar os filhos para a escola.

Segundo o projeto, as creches (CEIs) atenderão 60% das crianças, sem revezamento, e as escolas municipais de educação infantil (EMEIs) e de educação fundamental (EMEFs) receberão o total de alunos com revezamento em até dois grupos. As EMEIs terão a jornada reduzida em meia hora, para que haja um intervalo para fazer a adequação aos protocolos sanitários.

"Todos os protocolos continuam, sendo necessário o uso de máscara, álcool em gel, sabonete líquido, higienização. Para isso, a prefeitura entregou 81 mil face shields [protetores de plástico ou acrílico], 1,65 milhão de máscaras do tipo PFF2, e repassou para as escolas R$ 130 milhões e, para as unidades parceiras, R$ 23,4 milhões recursos para aquisição de EPIs", disse o secretário municipal de Educação, Ricardo Padula.

Os dados obtidos pela prefeitura por meio de uma avaliação diagnóstica do aprendizado no período da pandemia mostram que cerca de 30% dos estudantes da rede municipal não entregaram nenhuma, ou somente partes, das atividades no ano de 2020. De acordo com as informações, os estudantes classificados no índice de proficiência abaixo do básico continuaram nesse patamar, enquanto parte dos que estavam em tal faixa caíram ainda mais. Aqueles que tinham nível avançado e adequado continuaram assim.

"A ciência tem mostrado hoje todos os prejuízos que causa o fechamento das escolas, além do prejuízo pedagógico, nutricional, psicológico, de sociabilização. Portanto, é absolutamente necessário atuar em duas frentes neste momento: uma de combate à evasão escolar e outra de recuperação", afirmou o secretário. 

Para o combate à evasão,haverá uma busca ativa para identificar aqueles alunos que estão em situação de segurança alimentar, de trabalho infantil, doença crônica, defasagem de aprendizagem, vítima de violência ou outros fatores. "Eles devem ser acompanhados mais de perto e [precisa ser] acionada a rede de proteção social da assistência social para o atendimento a esses alunos e assim evitar a evasão." Já o monitoramento identificará os alunos que começam a ter ausências e que podem deixar de frequentar a escola.

O projeto de recuperação deve atuar com a retomada do Programa Mais Educação São Paulo, com a utilização dos cadernos trilhas de aprendizagem, a criação de grupos de alfabetização para aqueles que não estejam alfabetizados ou enfrentem problemas para que estes tenham atenção específica, atinjam os objetivos e consigam acompanhar o restante da turma na escola. Esses grupos podem ter até 12 alunos.

"Haverá apoio pedagógico de professor especializado para os alunos que têm dificuldades específicas de aprendizagem, além de projetos de recuperação de língua portuguesa e matemática. Faremos ainda a avaliação diagnóstica dos alunos do 3º ano do ensino fundamental e a 3ª série do ensino médio. Para a alfabetização, serão feitas a sondagem e a análise do plano de aula dos professores", acrescentou o secretário.

Vacinação

De acordo com o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, até ontem (19), 72,9% da população elegível da capital paulista já tinha sido vacinada contra a covid-19 e, até sexta-feira (23), o percentual deve chegar a mais de 80%, aumentando para 90% ao final do mês de julho. Nunes ressaltou que todos os servidores públicos da Educação já foram vacinados, o que permite o retorno anunciado.

Nunes informou ainda que a ocupação dos leitos de UTI (unidade de terapia intensiva) hoje está em 52,9% e a das enfermarias, em 32,1%. "Algumas semanas atrás estávamos em uma situação bastante difícil, com mais de 80% dos leitos de UTI ocupados. Ainda é um número elevado, mas reduziu bastante e nos deixa mais tranquilos."

O secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, lembrou que, ao longo do ano passado, a administração municipal usou como base os inquéritos sorológicos para medir a prevalência da contaminação entre os professores e funcionários, alunos da rede pública e depois da rede particular. Aparecido afirmou que todas as decisões serão baseadas no avanço e recuo das atividades, preparando a população para a melhor maneira de enfrentar a pandemia.

"Conseguimos fazer dois momentos de testagem de todos os professores da rede pública e agora temos o processo de vacinação completo entre os profissionais da educação.  Nossas 468 unidades básicas de saúde monitoraram todos os surtos de síndrome gripal que foram identificados nas escolas, seja entre alunos, seja entre professores. Era com base nas medidas e na avaliação da pandemia no momento que tomávamos decisão de promover a abertura das aulas ou o recuo e fechamento", disse.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Corumbá - MS
Atualizado às 11h01 - Fonte: Climatempo
15°
Alguma nebulosidade

Mín. 11° Máx. 20°

15° Sensação
17 km/h Vento
27% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (30/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 24°

Sol com algumas nuvens
Sábado (31/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 12° Máx. 28°

Sol com algumas nuvens